Notícias

14 mil postos de trabalho a menos nos bancos

06/10/17
O setor financeiro brasileiro segue como o mais lucrativo da economia. Apesar de uma ou outra redução apresentada no lucro dos bancos, ainda segue com alta lucratividade, à custa principalmente da superexploração dos seus trabalhadores e das altas taxas de juros. Somente no primeiro semestre, os quatro maiores bancos (Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander) tiveram lucro líquido de R$ 31,4 bilhões, 22,6% a mais que no mesmo período do ano passado.
Em contrapartida, de acordo com os dados mais recentes do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, os bancos fecharam 14.460 postos de trabalho entre janeiro e agosto. 
Os "bancos múltiplos com carteira comercial" (categoria da qual fazem parte BB, Itaú, Bradesco e Santander) foram responsáveis pelo fechamento de 7.347 postos; a Caixa, de 6.845 postos.
 
Faixa etária
Os bancários admitidos no período concentraram-se na faixa etária até 39 anos de idade. Os desligamentos concentraram-se nas faixas etárias superiores a 25 anos e, especialmente, entre 50 e 64 anos, com fechamento de 11.614 postos de trabalho. Os saldos são positivos apenas para as faixas de idade até 29 anos. Um reflexo dos Planos de Demissão Voluntária e de Aposentadoria Incentivada. Para os bancos, os mais novos e menos experientes acabam sendo “mais baratos”. E com a nova Reforma Trabalhista, que deve entrar em vigor em novembro, deverá haver uma nova troca, em breve, de mão de obra especializada por mão de obra terceirizada.
 
Desigualdade salarial entre homens e mulheres
As 7.677 mulheres admitidas nos bancos entre janeiro e agosto de 2017 receberam, em média, R$ 3.540,35. Esse valor corresponde a 69,2% da remuneração média auferida pelos 7.735 homens  ontratados no mesmo período.
A diferença de remuneração entre homens e mulheres é observada também na demissão. As 15.166 mulheres desligadas dos bancos entre janeiro e agosto de 2017 recebiam, em média, R$ 6.629,66, o que representava 78,6% da remuneração média dos 14.706 homens que foram desligados dos bancos no período.

LUTA BANCÁRIA

Mais revistas