Notícias

Privatização da Caixa é tema de palestra no auditório do Sindicato

09/11/17

Na noite deste quarta-feira, 8 de novembro, o pesquisador Gustavo Machado do Instituto Latino Americano de Estudos Socioeconomicos (ILAESE) detalhou os dados da cartilha que foi desenvolvida sobre a privatização da Caixa Econômica Federal. O evento ocorreu no auditório do Sindicato dos Bancários do RN e contou com a participação da categoria, inclusive de empregados de outros bancos que entendem que a defesa da Caixa é importante nesse momento de ataque massivo aos trabalhadores.

Inicialmente o diretor do Sindicato, Juvêncio Hemetério, detalhou a campanha que está sendo desenvolvida e que, além da cartilha “A SERVIÇO DE QUEM ESTÁ A PRIVATIZAÇÃO DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL?”, conta com camisetas, jornal do cliente que está sendo entregue à população e terá como ponto alto do dia 10 de novembro, em que as agências do banco terão a abertura retardada em uma hora e, à tarde, uma dela (agência Potiguar) receberá o encerramento do Ato de todas as categorias.

Em sua palestra Gustavo detalhou a situação econômica do país dentro do contesto mundial e o papel que o país vem desempenhando na nova ordem. Falou também sobre o desemprego, que em números reais, é muito mais assombroso que o divulgado oficialmente e mostrou através dos números como a Caixa vem surfando na onda da crise, sem ter qualquer tipo de déficit. “A Caixa, em termos relativos, é o banco que mais ganhou dinheiro com a dívida pública”, destacou.

Para Gustavo é conflitante que um banco com um papel social tão importante quanto o da Caixa Econômica Federal. “A empresa é o único banco do Brasil que não sofreu impacto com a crise econômica, então é contraditório que seja cogitada a privatização neste momento, para justificar isso é preciso entender todo o contexto”, afirmou.

Ele mostrou que os bancários de bancos privados e de economia mista costumam ser mais explorados que os de banco públicos e é o caminhos que os empregados da Caixa estão seguindo. Apesar de ter tido uma crescente na abertura de agências nos últimos anos, desde 2016 vem perdendo muitos funcionários pelos Planos de Demissão Voluntária, pessoal que não foi reposto e aumenta a sobrecarga de trabalho nas agências. Isso gera um clima de insatisfação entre os clientes que reclamam de mau atendimento, tudo para ganhar o apoio popular para a privatização.

Por fim, vários bancários se manifestaram defendendo que que é preciso ganhar a população para esta luta que somente com a resistência popular será possível barrar mais este ataque.


LUTA BANCÁRIA

Mais revistas