Sindicatos dos Bancários RN 1° de maio: relembrar e resistir

Notícias

1° de maio: relembrar e resistir

03/05/18
O Sindicato dos Bancários do RN participou, no dia 30 de abril, de um Ato Público em alusão ao Dia do Trabalhador. A manifestação contou com a participação de vários sindicatos e trabalhadores que defendem a independência da luta e da importância de se manter atentos para barrar as Reformas.
Para o diretor do Sindicato dos Bancários do RN, Eduardo Xavier, os trabalhadores não têm nada a comemorar. ‘‘Nem no Brasil, nem no mundo, a conjuntura de ataques aos direitos dos trabalhadores desde 2008, no Brasil piorou desde o ano passado, deixa os trabalhadores em uma situação de alerta. A gente sabe que o Governo que está aí pra entrar vai colocar a Reforma da Previdência para votação, pois ela não foi arquivada, foi apenas adiada’’, lembrou.
A diretora do SEEB RN e integrante do Movimento Mulheres em Luta (MML), Maria Mercedes, lembrou a participação das mulheres nesse processo. ‘‘É importante ressaltar que a luta das mulheres trabalhadoras tem avançado muito e muitas das conquistas da classe trabalhadora hoje vieram de uma luta iniciada por mulheres. Precisamos defender a participação das mulheres nas lutas política e sindical’’, ressaltou.
O diretor do Sindsaúde RN, Manoel Egídio, ressaltou a importância da luta dos trabalhadores para a defesa dos serviços públicos. ‘‘Um Ato classista e independente para denunciar o descaso dos governantes com o serviço público, com os trabalhadores, a retirada de direitos. Reivindicamos a revogação da Reforma Trabalhista e da Terceirização’’, defendeu.
Maria Aparecida Dantas, diretora do Sintest, lembrou que o Dia do Trabalhador não pode ser transformado em um dia de festa e sim é preciso manter as denúncias deste momento tão difícil que a classe vem passando. ‘‘Temos o desemprego em alta, um governo ilegítimo e precisamos conversar com as pessoas para nos organizar e tomar as ruas para reverter essa situação’’, declarou.
O diretor do Sindprevs, Francismar Silva, defende que se mantenha sempre viva a história da classe trabalhadora. ‘‘Estamos vivendo um momento muito difícil, pois os trabalhadores têm perdido muitos direitos’’, afirmou.
Trabalhadores unidos pedindo o arquivamento da Reforma da Previdência, a revogação da Reforma Trabalhista e da lei da terceirização e o Fora Temer e todos os corruptos deste país.

LUTA BANCÁRIA

Mais revistas