Sindicatos dos Bancários RN ITAÚ TENTA AMENIZAR EFEITOS DA REFORMA TRABALHISTA COM PALAVRAS DE EFEITO EM BONITA REVISTA

Notícias

ITAÚ TENTA AMENIZAR EFEITOS DA REFORMA TRABALHISTA COM PALAVRAS DE EFEITO EM BONITA REVISTA

03/05/18
O chicote foi trocado por uma gravata e uma foto belamente editada, assim Candido Bracher, atual presidente do Banco Itaú Unibanco, defende a tomada de novas iniciativas como estratégia de crescimento para os próximos anos. Ampliar os lucros com base no desgaste dos funcionários e fechamento de agências. Para florear, essas iniciativas estão ligadas a seis frentes prioritárias. Teoricamente, as prioridades incluem a satisfação dos clientes, gestão de pessoas, internacionalização, gestão de riscos e transformação digital. 
O novo modelo de trabalho vem para aplicar completamente a Reforma Trabalhista recentemente implementada.  As estratégias adotadas pelo Banco defendem, acima de tudo, a modernização do sistema de trabalho, porém acaba colocando o trabalhador em uma situação vulnerável onde é facilmente manipulável.  
Com o processo de transformação digital, o Itaú promete proporcionar novas experiências digitais aos clientes. Contraditoriamente, visando intensificar os serviços através dos meios tecnológicos, o banco acaba diminuindo, em decorrência, o contato direto que os clientes ainda possuem com os bancários. Consequentemente, ocorrerá o fechamento de algumas agências, e um número considerável de empregados vai perder seus empregos.
Uma das frentes prioritárias projetadas pelo banco defende a flexibilidade na jornada de trabalho do funcionário. Considerando as relações de poder que estão presentes no ambiente de trabalho, o empregador possui melhores condições de estabelecer seus interesses sobre trabalhadores. Assumir uma carga horária flexível implica dizer que o empregado deve estar disponível para o empregador. Diante da necessidade de acompanhar as oscilações das demandas e serviços, o funcionário encontra sua jornada sendo reduzida ou estendida, sem ter controle e autonomia sobre seu tempo. Essas mudanças geram consequências diretas na vida do trabalhador, como a desorganização da vida social e familiar, aumento do número de acidentes e cansaço acentuado. Em suma, consequências de ordem social, psicológica e de saúde. 
O diretor do Banco também apresenta a proposta de incentivar cada vez a produtividade da equipe, fazendo o trabalhador assumir uma postura composta pelo individualismo, carreirismo e egocentrismo. Além disso, a rentabilidade está sendo tratada como uma das mais importantes frentes prioritárias, baseando-se na garantia índices de eficiência, transformando a geração de lucros como principal objetivo. 
Ou seja, a beleza da publicação tenta convencer os funcionários a comprar a ideia de se o Banco ganha, você ganha também. Agora acredite...

LUTA BANCÁRIA

Mais revistas